Salomé recontada na pintura de Ana Luiza Rego

Em sua primeira individual na Galeria Patricia Costa, Ana Luiza Rego apresenta obras que trazem uma releitura contemporânea da polêmica figura bíblica de Salomé. Com curadoria de Fernando Cocchiarale, a mostra reúne nove telas a óleo sobre linho, de grandes e pequenos formatos, onde a narrativa deixa de lado a história bíblica em si para falar de momentos de solidão, de reflexão, de euforia e poder.

Todos os trabalhos da exposição “Contos Saloméicos” trazem nomes femininos como Sofia, Diana e Isadora. São Salomés ligeiramente subversivas às convenções sociais. As obras apresentam composições levadas ao extremo, convidando o olhar do espectador a circular pela superfície da tela, conduzido pelas pinceladas, pela matéria e pelo uso de cor.

“Justamente em um ano que tanto aconteceu nos movimentos feministas, ano de #metoo, de mulheres de preto no Globo de Ouro e Time’s UP. Atribuo ao inconsciente coletivo o resgate dessa história bíblica, que conta uma das primeiras revanches ao machismo e ao preconceito contra os direitos da mulher”, explica a artista.

A artista ressalta ainda uma curiosidade: Salomé inspirou grandes nomes da Arte, todos masculinos, como Oscar Wilde, Carlos Saura, Strauss, Caravaggio, Regnault, Klimt e Flaubert, entre outros.
“Impregnada de referências contemporâneas, a personagem deixa pistas que vão construindo uma personalidade de mulher independente e emancipada. As cabeças de João Batista representam uma metáfora para a morte de um tipo de homem que não faz mais sentido nesse universo”, completa.

Segundo Fernando Cocchiarale, “as pinturas de Ana Luíza Rêgo essencialmente nunca se afastaram das referências práticas e discursivas que marcaram fortemente sua geração (a chamada geração 80). Sob a influência genérica do neoexpressionismo alemão, os jovens da nossa Geração 80 esquentaram o corpo-a-corpo com a obra, numa recusa explícita ao distanciamento decorrente de processos mais racionalizados que prevaleceram nas duas décadas anteriores: o grito de uma subjetividade expressa pelo fazer”.

A exposição vai até o dia 29 de março. A Galeria Patricia Costa fica no Shopping Cassino Atlântico ( Av. Atlântica, 4.240/loja 226 – Copacabana). Funcionamento: de segunda a sexta, das 11h às 19h. aos sábados das 12h às 18h. Entrada gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *